quinta-feira, 31 de outubro de 2013

"QUEM BEM AMA NÃO ESQUECE"

Vem daí brincar no dia das bruxas!
Vamos juntos com elas voar
Num lugar bem às escuras
Onde ninguém nos incomodar.

Estou para aqui a esbanjar
Sem ser humorista
Com uma bruxinha quero voar
Depois do pôr do sol, à noitinha.

Mas, como eu não acredito
Nenhuma quer saber de mim
Sozinho ando perdido
Sem as flores do meu jardim!
(Eduardo Maria Nunes?

quarta-feira, 30 de outubro de 2013

"ATILAR"

Famélico de...escrevo!
Com atilar esta poesia
Os versos com que devo
   Deslindar no amor alegria.

Com solércia aprimorei
A realidade à imaginação
Sem diálogo não encontrei
 Amor para o meu coração.

De olhar esgazeado
De façanha aventureiro
Deveras contra exercitado
Tão sã como um pêro!
(Eduardo Maria Nunes)

segunda-feira, 28 de outubro de 2013

"ATROANDO"

Da nascente correr!
Para a fonte água pura
Fresca, pelo vale da loucura
Quero dessa água beber.

 No vale do paraíso fica
 Situada, entre dois montes
A fonte de água cristalina
Duas estrelas brilhantes
Lindos olhos de menina.

 Colina, corpo plagiando
Seios acentuada elevação
Céu azul estrelado vejo
Buliçoso resiste à tentação
Voz inconfundível atroando
Esmero chibante desejo!
(Eduardo Maria Nunes)

sábado, 26 de outubro de 2013

"BOM FIM DE SEMANA"

Bom fim de semana!
com a rolinha e a rolinho
Diz o rolinho para a rolinha
Deixa no teu ninho
Rolinha, dois ovinhos chocar
Vão nascer rolinhos, no teu ninho, 
Com eles vamos voar
Deixa, rolinha, no teu ninho
Meu rolinho pousar!
(Eduardo Maria Nunes)

sexta-feira, 25 de outubro de 2013

"SONHOS...ILUSÃO"

A saudade aumenta!
Cinzento começa o dia
Recordação apoquenta
Lembranças sem alegria.

Sonhos, são ilusão,
Cai a chuva na terra fria
Da árvore cai folha no chão
  Seca, que antes verde nascia.

Esperança, futuro sombrio,
teimosa, não se ausenta
Dor que tanto atormenta
Sem calor em corpo frio.

Rosto triste sem brilho,
Sofrimento renitente
 Amor distante lugar vazio
Nos lábios sorriso ausente.

De modo algo estranho,
Momento triste ocasião
Pesadelo medonho
Faz sofrer o coração!
(Eduardo Maria Nunes)

quarta-feira, 23 de outubro de 2013

"PARA ELA OLHEI"

  Na árvore, para ela olhei!
 Quase amadurecida
Eludido, com a fruta sonhei
Não a apanhei por ser proibida.

Quando estivesse madura
Pensei, com esperança voltar
Quem com a sua brandura
 Não sei, se estará a deliciar.

Tímido, calado e quedo
Era sim, quando gaiato
Pelo menos  com jeito
A poderia ter apalpado!
(Eduardo Maria Munes)

segunda-feira, 21 de outubro de 2013

"FRUTA E LEGUMES"

No supermercado!
Para o refogado a cebola
Desde o alho para a açorda
Tudo, antes, é apalpado.

As pêras abacates
Estão rijas, não maduras
A seguir as cenouras duras
Apalpam os tomates.

As apetitosas romãs
De casca dura são olhadas
As mangas verde amareladas
Cravam as unhas nas maçãs
As bananas apalpadas.

A seguir as hortaliças.
Bem assim como o melão
Não escapam as melancias
Ao indesejável apertão.

É a moda do apalpão
Todos gostam de apalpar
Espremido é o limão
A cebola faz chorar!
(Eduardo Maria Nunes)

sábado, 19 de outubro de 2013

"NÃO TENHO PENAS. SÓ TENHO PENA"

Dó de mim, não tenhas não!
Não tenho penas, só tenho pena
De viver só, sem o teu coração.

Dos teus olhos caídas, lágrimas
Serão todas e não só algumas
Testemunhas das tuas palavras
Não tenho garras, tenho unhas.

Porque a vida é mesmo assim!
Não sou ave, não tenha penas, não
só tenho pena de não ser a essência
da combustão que alimenta
a fogueira que tanto arde
dentro do teu peito sem fim!
(Eduardo Maria Nunes)
Sônia Amorim diz:
Não tenha pena de uma pequena,
que não sabe o quanto amada ainda pode ser,
na alma sincera e ingênua de um poeta
que traz no coração somente sentimentos bons!!
Inspirados estas em amigo poeta,
http://escritorauniversoparalelo.blogspot.pt/

sexta-feira, 18 de outubro de 2013

"BELEZA"

Nova, gera paixões!...
Pelos olhos muito cobiçada
Não é louca, enlouquece corações
A sorrir adormece, acorda amuada!

Não se deve esconde coisa boa
Em liberdade se deve manter
Não deve andar por aí à toa
À toa não se deixa ver!

Seja ela ou não aventureira
Não precisa de ser maquilhada
Sempre bela de qualquer maneira
Escondida, sempre mais desejada!

Podem viver na mesma morada
Beleza, simpatia, personalidade
Não impeçam de ser galanteada
Deixem-na andar à sua vontade!

Desejo bom fim de semana
Com ela e sempre presente
Coração que não tem, não ama
Saudades do amor ausente!
(Eduardo Maria Nunes)

quinta-feira, 17 de outubro de 2013

"SOBERBO"

Cai a chuva no outeiro!
A nadar, lá se foi o carcanhol
Corre a água turva no ribeiro
As nuvens escondem o sol.

Animação e paz na floresta
 De mansinho o vento sopra 
Passa por qualquer fresta
Sem a alguém pedir licença
Para entrar nada o estorva
Quando perde a paciência.

 Soberbo a remexer
Perde o tino perturbado
Quando passa desvairado
Tudo faz estremecer.

Pela ravina deslizando
 Foi cair dentro da valeta
 Refrígério procurando
Ficou entalado na greta!
(Eduardo Maria Nunes)

terça-feira, 15 de outubro de 2013

"PESADELO"

A felicidade trazia consolo!
Acordei feliz com a alegria
Um pesadelo tormentoso
causou tamanha gritaria.

Cruel e dolorosa aflição...
Tantas dores no corpo sentia
Acordei estatelado no chão
Olhei para a cama, estava vazia!

Caminhando ao acaso desesperava
Sem saber onde estava, o futuro
De noite, e quando o procurava
Por que não sabia onde morava
Perdido eu, andava no escuro!

Na taberna havia desgarrada
Total silêncio no convento
Na arrefecida madrugada
A Cantarolar, ia correndo.

Sem correr contra a vento
Passarinho, perdigoto, a voar
Deslizou pelo desnivelamento
 Na valeta lamacenta foi pousar!
(Eduardo Maria Nunes)

segunda-feira, 14 de outubro de 2013

"COCHICHOU"

Uma lágrima deixou!
No meu ombro caída
Linda gaiata atrevida!
Em meu ouvido segredou.

Os meus olhos olharam
Para os lindos olhos dela
Por eles logo se apaixonaram
Vestia saia de chita e blusa amarela.

Os lábios dela para os meus sorriram
Sem pedir licença os meus os beijaram
Quando ambos o contacto sentiram
 Unidos, não sei quanto tempo ficaram.

 Terá sido com certeza  do seu agrado
Sem ter feito qualquer reclamação
Pela sua beleza apaixonado
Ficou o meu coração.

Fiz momento não esquecerei
Foi embora sem nada dizer
Por que motivo o fez não sei
Nunca mais a voltei a ver.

Recordo aquele momento
Foi bom enquanto durou
Coração saudades contendo
fiz, sem magoas ficou! 
(Eduardo Maria Nunes)
Sônia Amorim diz:
O momento que mais me fascina na vida,
são os momentos onde a paixão
atrevida nos pega desprevenida,
e ataca o coração,
enchendo de esperança,
os olhos brilhando
como os de uma criança,
coisa boa demais, apaixonar,
olhar nos olhos e se deixar levar!
http://escritorauniversoparalelo.blogspot.pt/

domingo, 13 de outubro de 2013

"BEIJO LIBERTADO"

Algo terá acontecido!
No fundo de uma mina
Um tesouro escondido
De desgosto magoado
Deixou o coração ferido
Certamente apaixonado
Dos lábios d'uma menina
 Loucamente, libertado
Estaria, talvez, perdido
No chão estatelado
Um beijo caído!...
(Eduardo Maria Nunes)

quinta-feira, 10 de outubro de 2013

"PEZINHO NÃO MAGOOU"

A menina do Sardoal!
Para Setúbal se mudou
Foi visitar Alcácer do Sal
Em Palmela moscatel provou.

Foi à praia de Melides
Nas ondas mergulhou
Disse, Margarida, não grites
Nas rochas, pezinho não magoou.

A Setúbal regressou
Feito de bronze não hafe
Junto à estátua do Bocage
Quieta, para ele a olhar ficou.

Passou pelo Vale da Rosa
Chegou de caneta e papel na mão
Escreveu, em versos poesia e prosa
Junto à fábrica de cimento Secil-Outão
Com um sorriso nos lábios de menina
Se apaixonou o seu coração
Pela cidade Sadina!
(Eduardo Maria Nunes)

quarta-feira, 9 de outubro de 2013

"VERSOS SEM FIM"

Prisioneira da vontade!
Na liberdade acredita
Na casinha da felicidade
Feliz, apaixonada, habita.

Sonha com a saudade
Do passado permanece
Bem presente na memória
Em poesia, versos escreve
Sobre o amor de sua vida
Num livro, a sua história.

Em versos sem fim
Sonha com o amor
Porque é uma flor
Habita no jardim!
(Eduardo Maria Nunes)
Simone Prado diz:
Talvez a flor se despetalou,dela o espinho
sobrou como marca da sua dor,
Talvez tenha se cansado
talvez não mais acredite no AMOR.
 o perfume, a textura do aveludado do tato...
suas pétalas ao chão despetalado e perdeu até a cor,
ah talvez a rosa tenha desfalecido no enfado.
http://monsoresprado.blogspot.pt/

domingo, 6 de outubro de 2013

"MANTO DE VERDURA"

Para os meus a olhar!
Ao acordar não estavam
Por outros se apaixonaram
 Os meus olhos a sonhar,

 Triste foi aquele dia
 Cair de tristeza deixaram 
Lágrimas na terra fria
Sepultadas lá ficaram.

Para receber o seu amor
Tem um manto de verdura
Nasceu uma linda flor
Junto à sepultura!
(Eduardo Maria Nunes)
Simone Prado diz:
Nossa....que fúnebre...
mas lindo e encantador,
mesmo na sepultura
ainda podemos poetar o amor.
 nem o tempo e nem a distancia
podem te apagar...
sementes são plantadas
pra sempre germinar.
http://monsoresprado.blogspot.pt/

sábado, 5 de outubro de 2013

"FLOR DE OUTONO"

Foi bom, mas acabou!
Tudo nasce, tudo finda
Onde estará, não encontrou
A flor que era tão linda.

Será que ela murchou?
Desapareceu o seu perfume
Talvez, alguém o velou
Porque dela teria ciúme.

Dos olhos deixou cair as lágrimas
Triste chorava, sem vontade de sorrir
Ficaram na terra depositadas
 De suas pétalas gotas de água deixou cair!
(Eduardo Maria Nunes)

quinta-feira, 3 de outubro de 2013

"ALGUÉM ESPERAVA, POR ALGUÉM QUE NÃO CHEGOU"

Ao ouvir bater na porta!
A correr foi à janela espreitar
Na rua nada viu naquela hora
 Quem teria sido ficou a pensar.

O sol já estava escondido
Começava a noite a escurecer
Das nuvens a água que tinha caído
Na terra, para os regatos a correr.

Em quem pensava não chegou
Todo o dia, por quem esperava
Por que seria que não voltava
Com os seus pensamentos ficou.

Talvez, nunca mais a voltaria a ver
Recordava bons momentos que passou
Com saudades continuava sem saber
Os motivos por que não voltou!
(Eduardo Maria Nunes)

Oferecido por Cristi@ne

Image and video hosting by TinyPic"

Oferta de Sandra Veneziani

Image and video hosting by TinyPic"